Moçambiquenr fiscal cvp 55d50 Subscrever Newsletter Doar

Pesquisa Facebook Instagram Twitter Flickr redes youtube

Encontre aqui a Cruz Vermelha mais próxima de si.

terça-feira, 12 março 2019 16:42

Moçambique: equipas de emergência preparam-se para ciclone tropical Idai

Moçambique está em alerta máximo à medida que o ciclone tropical Idai se aproxima da costa central do país. As equipas de resposta a desastres da Cruz Vermelha nas províncias de Zâmbia e Sofala estão em preparação, estimando a chegada do ciclone para o final desta semana.

Fatoumata Nafo-Traoré, Diretora Regional para a África da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC), disse: “Este perigoso e poderoso ciclone pode representar um risco extremo para milhares de pessoas em Moçambique. As nossas equipas estão em alerta máximo antecipando uma chegada do ciclone potencialmente destrutiva.” Acrescentando ainda: "Encorajamos as pessoas em Moçambique a permanecerem alertas, a acompanhar as previsões meteorológicas e a responder imediatamente a quaisquer mensagens de aviso que sejam transmitidas pelas autoridades".

Segundo os meteorologistas, a intensidade de Idai é igual à de um furacão do Atlântico da categoria 3. No entanto, no seu pico de intensidade, pode atingir o equivalente a um furacão de Categoria 4 ou mesmo de um furacão de categoria 5.

Dependendo da sua intensidade e trajetória, o ciclone Idai também poderá exacerbar a situação no sul do Malawi, onde mais de 115.000 pessoas foram afetadas por inundações severas. No Malawi, as equipas de busca e resgate da Cruz Vermelha estão ainda a socorrer pessoas que ficaram presas pela subida do nível das águas e a distribuir itens básicos de socorro em 6 dos distritos mais afetados.

Moçambique é regularmente atingido por ciclones. Em Fevereiro de 2007, o ciclone Favio danificou ou destruiu 130.000 casas e desalojou dezenas de milhares de pessoas. Em 2000, o ciclone Eline atingiu o centro de Moçambique já afectado pelas cheias, deixando cerca de 463.000 pessoas sem abrigo. Juntas, as inundações e o ciclone mataram cerca de 700 pessoas.