Doar

Pesquisa Facebook Instagram Twitter Flickr redes youtube

Encontre aqui a Cruz Vermelha mais próxima de si.

sexta-feira, 25 fevereiro 2022 11:42

Relatório de Operações sobre a Ucrânia: incerteza e inverno rigoroso aprofundam o sofrimento das famílias ao longo da linha de contacto

 

A cada dia, centenas de milhares de pessoas que vivem perto da linha de contacto no leste da Ucrânia enfrentam dificuldades para sobreviver. O fornecimento de água, gás e eletricidade está limitado. A combinação de frio, Covid-19 e incerteza crónica faz com que seja um desafio atender as necessidades básicas. Após oito anos de conflito, as necessidades humanitárias são enormes.

Em resposta a isso, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) está a prestar assistência urgente — através de alimentos, combustível para aquecimento, material médico e apoio para casas — a quem sofre em ambos os lados da linha de contacto.

"A situação no leste da Ucrânia é desesperadamente desafiadora para muitas pessoas e famílias. O CICV está empenhado em trabalhar ao lado delas e ajudá-las de todas as formas possíveis", declarou a chefe da delegação do CICV na Ucrânia, Florence Gillette.

"Em conjunto com os parceiros da Cruz Vermelha Ucraniana e do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, estamos a postos para intensificar a nossa resposta humanitária caso seja necessário."

 

As atuais temperaturas abaixo de zero agravam a situação de muitas famílias.

"As pessoas contam-nos que a sua prioridade é passar o inverno de maneira segura e com aquecimento. O inverno é rigoroso aqui, sobretudo para as pessoas idosas", afirma o chefe adjunto da delegação do CICV na Ucrânia, Daniel Bunnskog. "Para ajudar a quem necessita, apoiamos de diferentes maneiras, desde isolar as casas das pessoas até melhorar a eficiência energética das suas casas, fornecer combustível ou proporcionar ajuda financeira para aquecer as casas de 35 mil pessoas em ambos os lados da linha de contacto."

Sofia Reznik é psicóloga do CICV. A sua preocupação é o custo em termos de saúde mental para as pessoas que vivem um período de maior incerteza.


"Considerando a atmosfera de tensão dentro e ao redor da Ucrânia, as pessoas mais idosas têm lembranças do ressurgimento de guerras anteriores. Ouvimos muitas delas a 
comparar essas duas situações,com muita tristeza e uma sensação de desesperança. Agora, na medida em que se aproximam do fim das suas vidas, testemunham novamente um mundo de incertezas e instabilidade. Temem constantemente pelas suas vidas devido ao conflito em andamento", relata Reznik.

 

Como o tem vindo a fazer durante todo o conflito, o CICV mantém um diálogo confidencial e bilateral com todos os lados para garantir que a população civil e a infraestrutura civil essencial sejam protegidas.

"A nossa mensagem para todos os lados é clara: a população e a infraestrutura civis que garantem a prestação de serviços essenciais às pessoas devem ser poupadas, as famílias devem poder ver-se e apoiar-se umas às outras e as pessoas detidas devem ser tratadas com humanidade, em conformidade com o que exige o Direito Internacional Humanitário (DIH) em todos os conflitos armados", acrescenta Gillette.

 

Nos últimos 12 meses, as atividades de assistência do CICV em apoio às comunidades de ambos os lados da linha de contacto incluíram:

  • Entrega de combustível sólido ou ajuda financeira para aquecer as suas casas neste inverno, a cerca de 35 mil pessoas.
  • Distribuição regular de alimentos e artigos de higiene para 37 mil pessoas ao longo da linha de contacto.
  • Entrega de equipamentos médicos a 51 hospitais e 61 unidades de saúde primária em ambos os lados da linha de contacto para lidar com a pandemia de Covid-19 e se preparar para emergências.
  • Conserto de estações de bombeamento de água em ambos os lados da linha de contacto, fornecendo água para cerca de 872 mil pessoas.
  • Palestras de consciencialização para o risco das minas a mais de 22 mil pessoas e doação de 7.350 placas de alerta de minas para ajudar a marcar áreas perigosas.
  • Conserto de casas danificadas de 5,6 mil famílias.

 

 

 

 

Destaques

 

 

        Imagem2 copy copy copy copy copy copy copy copy copy copy copy

 

 

Partilhar