Doar

Pesquisa Facebook Instagram Twitter Flickr redes youtube

Encontre aqui a Cruz Vermelha mais próxima de si.

terça-feira, 26 abril 2022 13:51

Ucrânia: Testemunhando as consequências dos conflitos em Irpin e Bucha a Cruz Vermelha pede mais acesso à ajuda humanitária

Dominik Stillhart, diretor de operações do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), visitou a Ucrânia esta semana, onde viu o devastador custo humano dos conflitos em Irpin e Bucha. Dominik visitou, ainda, o projeto de água urbana do CICV, que pretende restaurar o abastecimento de água na área.

"Os danos que podemos ver são realmente impressionantes. Depois de apenas algumas semanas de hostilidades, o número de casas que foram destruídas ou as estações de bombeamento de água que foram danificadas ... Podemos, de facto, ver que a guerra aqui teve um preço muito alto", disse Dominik Stillhart.

O conflito está a roubar vidas na Ucrânia, os civis estão a suportar o peso de intensos combates, em particular no Sul e na área de Donbas. Além da destruição e dos danos aos edifícios civis e da infraestrutura crítica, os conflitos impedem a garantia dos serviços urbanos indispensáveis para a satisfação das necessidades básicas. As pessoas sofrem com a falta de comida, água, saneamento, eletricidade e cuidados de saúde.

Ao mesmo tempo, o acesso humanitário continua a ser limitado onde as hostilidades estão a acontecer e isso tem de mudar. As partes devem fazer todo o possível para garantir que as pessoas, nas cidades afetadas pelos conflitos, tenham acesso a ajuda humanitária vital. "Há uma necessidade urgente de um maior respeito pelo Direito Humanitário Internacional, porque se o que vemos aqui depois de apenas algumas semanas de combates se repetir no leste e no sul, podemos esperar o pior dos cenários", disse Stillhart.

O CICV prossegue os seus esforços para enfrentar as consequências das infraestruturas vitais danificadas e as consequentes interrupções do fornecimento de água e eletricidade. Esses esforços incluem a reabilitação de uma tubulação de água entre Kyiv e Irpin em benefício de mais de 200.000 pessoas.

O CICV, desde 2014, que pede às partes deste conflito que respeitem as suas obrigações legais sob o direito internacional humanitário. Civis e infraestrutura civil, instalações médicas, veículos e pessoas devem ser protegidos e poupados dos combates. O CICV pede às partes que garantam acesso, sem obstáculos, para ajuda humanitária imparcial e a passagem segura para o pessoal médico e para os civis que procuram lugares mais seguros.

 

 

Nota:

  1. O CICV trabalha para as pessoas afetadas pelo conflito na Ucrânia desde 2014. As suas operações no país estão entre as dez maiores operações do CICV em todo o mundo, trabalhando em estreita colaboração com a Cruz Vermelha Ucraniana, fornecem assistência emergencial, como comida, água e outros itens essenciais. A sua resposta à saúde de emergência atingiu 145.000 pessoas, em 75 unidades de saúde na Ucrânia. Isso inclui material médico, tratamento, evacuações e a implantação de 50 médicos que estão a promover assistência e formação em toda a Ucrânia. O CICV apoia as autoridades a reparar infraestruturas essenciais, a fornecer assistência financeira a pessoas vulneráveis afetadas por conflitos e a ajudar pessoas que perderam o contacto com os seus entes queridos, entre outras atividades.
  1. Criado em 1863, o CICV opera em todo o mundo ajudando pessoas afetadas por conflitos e violência armada e promovendo as leis que protegem as vítimas da guerra. Uma organização neutra, independente e imparcial, seu mandato decorre das Convenções de Genebra de 1949. Está sediada em Genebra, suíça, e trabalha em mais de 100 países.
Partilhar