PayPalnr fiscal cvp 55d50 Subscrever Newsletter Doar

Pesquisa Facebook Instagram Twitter Flickr redes youtube

Encontre aqui a Cruz Vermelha mais próxima de si.

sexta-feira, 30 agosto 2019 14:56

Dia Internacional dos Desaparecidos

30 Agosto 2019

Veja aqui o vídeo produzido pelo Comité Internacional da Cruz Vermelha baseado em histórias reais.

 

Uma das mais devastadoras tragédias humanitárias é o impacto que a separação ou desaparecimento de familiares tem sobre os indivíduos, famílias e a comunidade em geral.

Neste Dia Internacional dos Desaparecidos, a Cruz Vermelha Portuguesa junta-se a toda Rede de Laços Familiares da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para assinalar o direito das famílias saberem o que aconteceu e onde estão os seus familiares desaparecidos devido a conflito armado, catástrofe ou outras crises.

No final de 2018, só o Comité Internacional da Cruz Vermelha registava no mundo inteiro 139.000 casos de pessoas desaparecidas. Em Junho de 2019 esse número já ascendia a 145.000. Os números de 2018 mais que duplicaram em relação a 2015 e embora contextos como a Nigéria, Iémen, Iraque, Afeganistão e Síria sejam a maioria dos casos mais “recentes”, ainda são acompanhados casos “menos recentes” noutros locais como Sri Lanka, a zona Ocidental dos Balcãs, Líbano ou Nagorno-Karabakh (Azarbeijão), apenas para se citar alguns.

Esta é apenas uma fracção de todas as pessoas que se crêem desaparecidas no mundo inteiro devido a conflitos passados e atuais, outras situações de violência, catástrofes naturais ou migração. De facto, tais números revelam apenas parte da tragédia, uma vez que por detrás de cada pessoa desaparecida existem inúmeras outras afectadas, nomeadamente os seus familiares.

Os familiares de uma pessoa desaparecida geralmente não descansam até saber a sorte e o paradeiro do seu ente querido – se é que chegam a saber. O seu pesar pela perda e pela falta de notícias é agravado por outras dificuldades, como privações económicas e trâmites burocráticos. As famílias das pessoas desaparecidas têm necessidades específicas, múltiplas e interconectadas e, enquanto elas não são satisfeitas, as famílias muito dificilmente conseguem reconstruir as suas vidas.