PayPalMB WAYnr fiscal cvp 55d50 Subscrever Newsletter Doar

Pesquisa Facebook Instagram Twitter Flickr redes youtube

Encontre aqui a Cruz Vermelha mais próxima de si.

quinta-feira, 14 janeiro 2021 11:56

3 coisas de que nos podemos orgulhar em 2020 e 3 coisas nas quais nos devemos concentrar em 2021

[Artigo da autoria da  | 13 DE JANEIRO DE 2021 | PEDAÇOS DE PENSAMENTO]

 

 

3 coisas de que nos podemos orgulhar em 2020 e 3 coisas nas quais nos devemos concentrar em 2021

 Em resultado de uma conversa entre  20 líderes de toda a rede da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, promovida pela Academia Solferino, reunimos alguns conteúdos abordados sobre o ano que acaba de passar e o que temos pela frente. 

 

Em qualquer perspetiva com que olhe, 2020 foi sem precedentes,  o mais complexo e desafiador, e há poucos indícios de que as coisas ficarão mais fáceis num futuro próximo, no entanto, vários aspetos positivos surgiram juntamente com algumas lições importantes para seguirmos em frente. Na Solferino Academy, falámos com 20 líderes seniores da IFRC e da rede de Sociedades Nacionais para conhecer quais as suas opiniões sobre este assunto. Aqui está um pouco do que eles nos disseram:

3 coisas de que nos podemos orgulhar em 2020

Legenda: Voluntários a usar ações lúdicas (teatro) para divulgar informações sobre a Covid-19. Tangerang, Indonésia. Foto: Sociedade da Cruz Vermelha da Indonésia / IFRC

 

 

Solidariedade

As comunidades trabalharam juntas para ajudar a combater o vírus e os seus efeitos. As Sociedades Nacionais viram aumentar significativamente o número de Voluntários: 78. mil novos voluntários inscreveram-se  para ajudar nos Estados Unidos, na Itália o número foi de quase 60.000 e na Espanha teve um número semelhante. Havia 48.000 na Holanda e 35.000 no Quênia . Em Tuvalu, um país sem casos registrados de Covid-19, a Cruz Vermelha local deu as boas-vindas a 130 novos voluntários. Algumas dezenas foram também os voluntários que integraram a Cruz Vermelha em Portugal. 

“Em resposta à necessidade humanitária sem precedentes, testemunhamos humanidade e bondade igualmente sem precedentes”,

Francesco Rocca, presidente da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho - no The Guardian online, 6 de janeiro

As Sociedades Nacionais ajustaram rapidamente os seus sistemas e processos para mobilizar esses números extraordinários de recursos e conseguir, assim, dar resposta no terreno, seja entregando cestos de primeira necessidade, ajudando nos testes ou fornecendo apoio psicossocial. Mais uma vez, o nosso modelo de mobilização de comunidades locais em apoio a seus pares provou ser altamente valioso para sistemas sociais e de saúde sobrecarregados, bem como para atender às necessidades de comunidades altamente vulneráveis.

Também demonstrámos uma solidariedade incrível como uma rede da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, trabalhando juntos de maneiras inesperadas e criativas. Reunimo-nos em workshops virtuais, think tanks e grupos técnicos compartilhando, aprendendo e desenvolvendo novas colaborações. A China enviou especialistas para a Itália, o financiamento de emergência fluiu através das fronteiras (e não apenas nos fluxos tradicionais de economias de alta e baixa renda) e os recursos locais foram fornecidos globalmente em grande escala, permitindo a tomada de decisões informadas e uma apresentação de dados para principais instituições mais críticas na resposta a uma crise de saúde global. Os numerosos fóruns globais importantes a serem realizados este ano exigirão este nível de cooperação se quisermos posicionar efetivamente o trabalho das Sociedades Nacionais.

De fato, há muito espaço para melhorias nas formas como colaboramos internacionalmente, mas demos passos importantes em 2020.  

 

Transformação Digital

As Sociedades Nacionais moveram de maneira impressionante e rápida para se adaptar à nova realidade de trabalho que exigia coordenação e gestão de atividades virtualmente. Novas plataformas foram lançadas e sistemas de voluntariado digital foram rapidamente ampliados, mudando para atividades de integração e coordenação inteiramente virtuais. Novos serviços foram projetados ou adaptados por forma a manter o seu funcionamento, muitos deles passaram para plataformas digitais.  O trabalho remoto tornou-se a norma, assim como o reconhecimento dos desafios que ele traz. Tudo isst aconteceu muito rápido, em dias, semanas e meses.

As Sociedades Nacionais também começaram a realizar workshops, conferências e reuniões virtuais. Mais de 10 mil participantes compareceram no Climate: Red, um grande encontro on-line sobre o clima. O primeiro deste tipo para o setor humanitário!

A transformação digital foi amplamente adotada, ensinando-nos o que é possível alcançar virtualmente, mas também o que é mais eficaz presencialmente. O desafio será continuar a crescer nos próximos anos e também garantir que, à medida que os escritórios inevitavelmente começam a abrir novamente, não voltemos na totalidade aos métodos anteriores ou perderíamos enormes ganhos que conquistámos na transformação digital.

  Confiança e Comunicação

Numa época em que a importância de informações de saúde claras, consistentes e confiáveis ​​é crítica, a confiança e a capacidade de se comunicar efetivamente com grandes públicos são mais importantes do que nunca para a Cruz Vermelha. 

Na medida em que o vírus se propaga mais cobertura mediática existe no sentido de potenciar o medo e a insegurança das pessoas, divulgando até teorias da conspiração e colocando em causa a validação pela sociedade de fontes de informação credíveis. 

A Cruz Vermelha escalou rapidamente os seus esforços de comunicação e envolvimento da comunidade em 2020, tanto por meios tradicionais (incluindo comunicações pessoais e mídia tradicional) quanto por novos esforços sofisticados de mídia social e digital. 

2020 viu um aumento acentuado na capacidade  de comunicação da Cruz Vermelha. Neste ano, precisaremos de uma escala e eficácia ainda maiores, com novas ondas de COVID, novas vertentes e um lançamento de vacinas, tudo vai acontecer em 2021.

Mas para que a comunicação seja confiável ​​e executada, o mensageiro também precisa de ser confiável. A reputação das Sociedades Nacionais terá que ser sólida e todos os que trabalham e são voluntários na Cruz Vermelha também terão que continuar a ter confiança - especialmente a liderança. Mais uma vez, no centro da eficácia, encontramos a confiança. Qualquer violação dessa confiança prejudicaria significativamente os nossos esforços para salvar vidas.


3 coisas em que nos devemos concentrar em 2021


 

  Liderança

2021 pode muito bem ser o ano da liderança!

Numa época de grande incerteza, à medida que muitas crises complexas convergem ou emergem de maneiras repentinas e imprevisíveis, os líderes desempenharão papéis essenciais na criação de espaços onde o empreendedorismo, a inovação e a agilidade possam prosperar. É fundamental que suas equipas sejam capazes de antecipar desafios, idealizar novas soluções, experimentar rapidamente, alcançar e formar novas alianças e parcerias, aprender e se ajustar. A tomada de decisão terá que ser mais simplificada e os processos anteriores revisados ​​e adaptados ou abandonados rapidamente, caso se revelem inadequados ou morosos. O caminho para o dimensionamento de novas abordagens, que tantas vezes no passado  foium processo longo e árduo, precisará de ser acelerado.

Tudo isso exigirá líderes empreendedores e transformadores em todos os níveis. Das Sociedades Nacionais a Conselhos e Administração,  líderes voluntários e gestores de projetos, todos terão que criar ambientes inclusivos que permitam que diversas pessoas inovem e sejam ágeis sem a burocracia de cima para baixo que dominou o setor humanitário até hoje. Dados sobre inteligência coletivaa, capacidade de aprender e obter insights rapidamente também serão fundamentais.

Os líderes seniores ao lado de suas equipes precisarão de visão estratégica, capacidade de antecipar as mudanças de tendências e desafiar-se na adaptação da novas estratégias. Além disso, ser capaz de detectar janelas de oportunidade estreitas e mover-se rapidamente para aproveitá-las será essencial.

Finalmente, com o cansaço a afirmar-se nos colaboradores e voluntários da rede Cruz Vermelha, tanto pessoal quanto profissionalmente, a liderança exige que se providencie cuidados fisicos e psicológicos às suas equipas. 

  Financiamento e Complexidade

“Em 2022, podemos muito bem enfrentar um acerto de contas com o financiamento”

(Líder da FICV)

Com recessões projetadas e em evolução em grande parte do mundo, juntamente com o aumento da demanda interna nos países doadores, o financiamento humanitário e social deve tornar-se mais restrito a partir do final de 2021. 

Infelizmente, isto chega num momento em que a demanda não só será muito alta, mas também altamente complexa e envolve uma miríade de crises e impactos associados que fluem para mais áreas de vulnerabilidade. Provavelmente também testemunharemos muitos mecenas do setor de caridade / sociedade civil,  a reduzir ainda mais o apoio disponível para as populações vulneráveis.

A capacidade de encontrar maneiras novas e inovadoras de mobilizar fontes alternativas de capital vai  tornar-se cada vez mais central. Será crucial fazer parceria com novos atores e construir modelos inteiramente novos de colaboração, que permitem uma maior atividade em escala e que a gestão das Sociedades Nacionais relativa às  vulnerabilidades altamente complexas com que se deparam se estenda por muitos aspectos do bem-estar individual e comunitário, como meios de subsistência, resultados de saúde, sociais e saúde mentall.


  

 Apoio em foco


As funções de saúde apresentam algumas das maiores oportunidades de apoio para muitas Sociedades nacionais. Com as projeções generalizadas de vulnerabilidades crescentes, serviços sociais e de saúde sobrecarregados e uma implementação difícil de vacinas, haverá muitos papéis para a Cruz Vermelha. Disponibilizar programas de saúde e esforços de prevenção ajudará a consolidar as funções auxiliares, possibilitará esforços de fortalecidos e novas fontes de financiamento e, no final, garantirá que possamos ajudar a atender algumas das muitas necessidades que vão surgir. Estas são oportunidades para serem vistas como cruciais para medidas preventivas de saúde mas também para as pandemias do futuro.

Partilhar